Revista da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Online first

Revista Portuguesa de Endocrinologia, Diabetes e Metabolismo - Online first: 2022-07-10
Original article

Impact of COVID-19 in new-onset type 1 diabetes mellitus in a large Portuguese pediatric diabetes center

Caetano FB, Lança A, Rodrigues C, Bota S, Garcia A, Diamantino C, Fitas A, Galhardo J, Pina R, Lopes L, Limbert C

Abstract

Aim: To characterize new-onset type 1 diabetes mellitus (T1D) cases in a pediatric population referred to a large pediatric diabetic center throughout the first year of the COVID-19 pandemic, comparing it to previous years. Methods: Retrospective study including patients under 18 years with new-onset T1D, from March 12th 2020 to March 11th 2021. A control group was defined using data on patients under 18 years with new-onset T1D referred to the same hospital in the 3 previous years (from March 2017 to March 2020). Data was analyzed using SPSS. A p value of 0.05 was used as threshold of significance. Results: Between March 12th 2020 and March 12th 2021, 44 patients were diagnosed with new-onset T1D. The control group included 96 patients, resulting in an incidence of 32 cases/year (37,5% rise). January 2021 was the month with the higher number of diagnosis, corresponding to the peak of novel SARS CoV-2 infections. During the pandemic, new-onset T1D cases in children under 2 years-old doubled, when comparing to mean incidence in previous years. Median delay to diagnosis was not significantly different from previous years. Diabetic ketoacidosis (DKA) at presentation was present in 50% of cases that were diagnosed after lockdown, increasing substantially from previous years (38,5%). DKA’s severity was also significantly higher (40,9%, p=0,04), as were Intensive Care Unit admission (13,6%, p=0,04). Conclusions: Despite the existance of molecular pathways that could lead to islet cell injury, the role of the new coronavirus in the pathogenesis of DKA and T1D onset is still unclear. Disease severity could also be related to a higher proportion of younger children.

Portuguese abstract

Objectivo: Caracterizar os casos de diabetes mellitus tipo 1 (T1D) inaugurais na população pediátrica referenciada a um centro de diabetes pediátrica durante o primeiro ano da pandemia por COVID-19, comparando-os com os anos anteriores. Métodos: Estudo retrospectivo incluindo doentes com menos de 18 anos com T1D inaugural, de 12 de Março de 2020 a 11 de Março de 2021. Foi definido um grupo de controlo a partir de dados de doentes com menos de 18 anos com T1D inaugural referenciados ao mesmo hospital nos 3 anos anteriores (de Março de 2017 a Março de 2020). Os dados foram analisados utilizando SPSS. Foi utilizado um valor p de 0,05 como limiar de significância. Resultados: Entre 12 de Março de 2020 e 12 de Março de 2021, foram diagnosticados 44 doentes com T1D. O grupo de controlo incluiu 96 pacientes, com incidência de 32 casos/ano (aumento de 37,5%). Janeiro de 2021 foi o mês com o maior número de diagnósticos, correspondendo ao pico das novas infecções por SARS CoV-2. Durante a pandemia, os casos de T1D em crianças com menos de 2 anos duplicaram quando comparados com a incidência média nos anos anteriores. O atraso médio no diagnóstico não foi significativamente diferente dos anos anteriores. A cetoacidose (CAD) como forma de apresentação ocorreu em 50% dos casos diagnosticados após o decretar de confinamento, aumentando substancialmente em relação aos anos anteriores (38,5%). A gravidade da CAD foi também significativamente maior (40,9%, p=0,04), tal como a admissão na Unidade de Cuidados Intensivos (13,6%, p=0,04). Conclusões: Apesar da existência de mecanismos moleculares comuns que poderiam conduzir a lesão do tecido pancreático, o papel entre o papel do novo coronavírus na patogénese da T1D inaugural é ainda incerto. A maior gravidade da CAD poderá também estar relacionado com uma maior proporção de casos em crianças mais novas.